sexta-feira, maio 29, 2015

“Não há volta ao mundo sem Lisboa”

Barcos em terra para manutenção na Doca de Pedrouços
Team Brunel: a primeira equipa a chegar a Lisboa
A frase do título, escrita num folheto do pavilhão “Espaço do Mar”, na Doca de Pedrouços, onde goza uma folga a volta ao mundo da Volvo Ocean Race, encerra uma verdade histórica que deve encher de orgulho os portugueses, tão pobres de motivos de orgulho nos tempos que correm: Lisboa está no centro do mundo marítimo e não é apenas por razões geográficas; se o mundo é hoje global, verdade seja dita que a globalização começou a partir de Lisboa e seguiu nas caravelas que ligaram ocidente e oriente; e a circum-navegação foi uma criação de portugueses.

A Volvo Ocean Race chegou a Lisboa, no regresso à Europa desta volta ao mundo. E onde havia de chegar a não ser a Lisboa, vinda das Américas, depois de ter corrido a Oceânia e a Ásia?
O Varino esperou pelos "Fórmula Um"



Seis tripulações continuam em prova, nos seus barcos de 20 metros que são conhecidos por Fórmula Um dos mares. Mas a competição não é seguramente o mais importante nesta volta ao mundo. 
Até 7 de Junho, na Doca de Pedrouços, há um mundo para descobrir.
Um mundo que, quando roda sobre si mesmo, tem que deter-se em Lisboa.


Texto Beco das Barrelas
Fotos Joana Francisca / Beco das Barrelas D.R. 

Sem comentários:

Enviar um comentário